quinta-feira, 11 de julho de 2013

Combinações de alimentos



1 - Arroz + Feijão: Vamos começar por esta combinação clássica que, porém infelizmente, está deixando de fazer parte do prato dos brasileiros. Segundo pesquisas do IBGE, na última década, os brasileiros consumiram 30% menos feijão e 23% menos arroz. Em compensação, no mesmo período, aumentou a utilização de refrigerantes, biscoitos e hambúrgueres de carne, de menores valores nutricionais, de mais calorias, repletos de aditivos químicos e gorduras trans, e para piorar, por causa de seus altos índices glicêmicos, logo causam fome novamente. Ou seja, uma substituição errada e nefasta, pois há um aumento de gorduras nocivas, de carboidratos sem valor nutritivo, e na ingestão insuficiente de cereais ricos em fibras proporcionados pelo nosso feijão com arroz.
2 - Feijoada + Couve + Laranja: É um relacionamento fantástico, especialmente para os 100% vegetarianos. A obsorção do mineral ferro dos alimentos vegetais (principalmente os de cores escuras), leguminosas, cereais e raízes pelo organismo são chamadas de não heme, ou seja, é menos biodisponível (significa aproveitamento) em comparação aos alimentos de origem animal. O organismo só absorve 10% do ferro do feijão. Mas quando o alimento é associado a uma fonte de vitamina C, a absorção sobe para quase 40%. Com a presença de um alimento rico em ácido ascórbico (vitamina C), como a laranja, este é tido como estimulante da absorção do mineral ferro dos alimentos de origem vegetal, mandando para longe qualquer possibilidade de anemia. Portanto, o mineral ferro do feijão e da couve (melhor ainda se for crua) aliado a vitamina C da laranja (o funcionamento intestinal agradece se comer com o bagaço) é uma combinação que dá muito certo!
3 - Tomate + Abacate (ou sua variação, o avocado): Se você não costuma frequentar restaurantes mexicanos, barzinhos “descolados”, ou não conhece a culinária deste país, pode achar estranha a combinação, mas acredite, esta união merece ser experimentada. O “guacamole” é uma iguaria típica mexicana, mas também muito encontrado nos EUA e, que nada mais é do que, um purê de abacate exótico, que leva tomates e temperos apimentados. É um acompanhamento para saladas, sanduíches, comidas e aperitivos. Muito saboroso e com poder de prevenir o envelhecimento. Já se sentiu curioso (a) de experimentar? Se não, vou dar mais razões.

4 - Molho de Tomate + Azeite Extra Virgem de Oliva: Boa parceria, que vai de encontro ao que relatei acima, sobre a transformação de tomate para o molho. O azeite extravirgem de oliva (não adianta os “azeites mistos”, e melhor, se a acidez for menor que 0,5%), fonte de gordura boa (monoinsaturada), também facilita o transporte do licopeno para defesa do organismo. E vale ressaltar que, o licopeno é uma substância antioxidante, mais concentrado e bio disponível no molho de tomate por ter passado pelo processo de cozimento.
Então, a combinação de azeite extravirgem de oliva e molho de tomate é um protetor dos bons, e vai bem tanto na macarronada, quanto na pizza 100% vegetariana, ou no sanduíche, ou onde sua imaginação levar.
Fonte:  Horta Urbana, Eco Cheer Vegan.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Jardinagem

A prática da Jardinagem traz inúmeros benefícios à saúde. Reduz o estresse e é terapêutico.
Alguns vasinhos são suficientes, não precisa ter um grande jardim.
O ato de cuidar diariamente de suas plantinhas e acompanhar seu crescimento,será calmante e aliviará a tensão diária.

Fonte: Reciclagem, Jardinagem e Decoração.


terça-feira, 9 de julho de 2013

Reaproveitamento de aquários




Sugestão para reutilização de aquários que estejam danificados: Terrários...

Fonte: https://www.facebook.com/ReciclagemJardinagemEDecoracao

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Batata doce em vaso

Se a batata doce brotou, coloque para enraizar e crescer na água e depois plante em um vaso. 
Assim terá uma linda folhagem de crescimento rápido.
Dica: A batata deve ficar com apenas uma parte dentro da água, ficando os brotos expostos... Utilize palitos para apoiá-la.
Fonte: Garden Guides, Reciclagem, Jardinagem e Decoração.

sábado, 6 de julho de 2013

A vegetação em ambiente urbano


Não é recomendado o plantio de árvores em calçadas muito estreitas (menor que 1,50m);
Segundo a NBR 9050/94 o espaço mínimo para o trânsito de pedestres na calçada deve ser de 1,20m;
Se a calçada for mais larga, maior que 2,50m, houver recuo predial e não houver fiação elétrica, podem ser utilizadas árvores de médio porte;
Árvores de médio e grande porte podem ser utilizadas em locais com fiação elétrica desde que não sejam plantadas no alinhamento da rede e tenham sua copa conduzida desde cedo acima da rede (também existe a opção da poda em “V” ou em “furo”);
Árvores de grande porte são mais adequadas para parques, rotatórias, praças e outros locais com mais espaço. No entanto, em calçadas com largura superior a 3m e sem fiação elétrica elas também podem ser utilizadas;
As árvores não devem interferir na iluminação pública, na visualização de placas e sinalização de trânsito;
Devem-se evitar espécies venenosas ou tóxicas e com espinhos e dar preferência aquelas de flores e frutos pequenos;
Dar preferência a espécies resistentes e de crescimento rápido e com raízes que não prejudiquem o calçamento (evitar, por exemplo, espécies com raízes aéreas);
As mudas plantadas em vias públicas devem obedecer as seguintes medidas: altura de 2,50m; diâmetro a altura do peito (DAP) de 0,03m; altura da primeira bifurcação de 1,80m;
Algumas medidas que devem ser respeitadas no plantio de árvores em vias públicas: consultar Manual Técnico de Arborização Urbana

Exemplo de erro comum em arborização urbana: a falta de espaço para planta receber água da chuva.
Olha o tamanho da árvore para tão pouco espaço ao redor do tronco


 Imagem da avenida Presidente Vargas, em Cruz Alta/RS.

Fonte: Info Escola - Arborização Urbana, Manual Técnico de Arborização Urbana.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...